terça-feira, 20 de fevereiro de 2018



Envelhecer é complicado quando você percebe que ficou invisível. Além do privilégio de ainda estar aqui ocupando um espaço e incomodando, você não tem mais nada. Porque quando somos jovens, somos bonitos, somos fodas, e assim escolhemos demais os companheiros de viagem. Em algumas situações, preferimos viajar sozinhos porque a beleza da juventude nos torna autossuficientes. E assim , no final não há ninguém disposto a nos enxergar através da capa da invisibilidade que a inutilidade própria da velhice nos outorga. É preciso, portanto, valorizar o que a vida oferece ainda que não seja o que idealizamos como o melhor para nós. Ao escalar uma montanha, orgulhoso pela energia que é capaz de dispender, lembre-se do que precisará para a volta. Tenha em mente que ao subir a única visão é o cimo. As paisagens mais bonitas se descortinam justamente durante a descida. E é lá embaixo que lhe espera a sua plateia.

Lecia Freitas



Reza o poeta, e eu concordo, que o silêncio tem força. Entretanto, se falhar a sintonia, há o risco de ser mal interpretado. Portanto, em muitos casos é necessária a palavra. Que o verbo não seja âncora a limitar o próprio alcance. Que seu voo sirva de instrumento a fazer crescer o ilimitado de uma emoção em nós.

Lécia Freitas



O amor pode perfeitamente passar de um coração a outro mesmo que à distância. Entretanto, ao fazer esse traslado, ele vai se dissipando como névoa no caminho. 
Para viver em plenitude o amor precisa de mãos dadas, confirmando uma energia, como em uma oração em que dedos se entrelaçam formando um só. 
Amor, quando você tem que ficar pedindo, insinuando, insistindo, tentando provar alguma coisa ou buscando provas, é porque chegou a hora de ir embora. Faz é tempo.

Lécia Freitas


LIMBO
desse jeito
prefiro não ser a lembrança
nem do que não houve
não preciso ter um nome
nas suas redes
nem um número na sua cama
não quero ser parte de memória
nem boa nem ruim
não preciso
nem quero
fazer parte de história
quando se é esquecida
no presente
não penso no amanhã
pois nem o meu
sei se vou ter
não preciso que me levantem sonhos
sempre tive os meus
mas não finja o que nunca foi
não permita o encanto
e siga em frente sem olhar para trás
que não vale a pena
o que nunca me deu
ofereça à próxima
certamente há de vir.
Eu nunca existi,
nem até o meio-dia.

Lécia Freitas




domingo, 11 de fevereiro de 2018

Morrer é o maior evento da vida. Porque ja se construiu uma história. Porque já colou em retinas tantas coisas que suscitaram outras e outras, e assim vai se formando uma vida. Porque já se fez nascer tantos amores que se ofertaram para outros corações, criando as trilhas que nos encaminham ao outro. Nascer, não! Quantos nascem a cada dia e ninguém fica sabendo. O morrer, portanto, é um acontecimento que finaliza todos os outros eventos. Porque ao longo do tempo, mantemos alguns deles dentro de nós, mesmo quando nos deteriora, acreditando que tudo vai dar certo. Porque temos medo de ficar sem o sonho. A vida sem sonho é insuportável para o ser humano. E assim, buscamos desesperadamente, para provar que estamos vivos, qualquer ilusão. Criamos qualquer sonho. Mas para que seja bonito e vingue, é preciso o outro abrir a cancela. Senão as impressões serão como um dia nevoento à beira do cais. Como em Zorba, o grego. Ou frio e chuvoso numa roça de cacau de Amado, quando a lama gruda nos pés. Ou naquela casa tenebrosa dos Ventos Uivantes. Não há nada que enfeite de alegria um amor desperdiçado...um tempo desperdiçado...um sonho não reconhecido.

Lecia Freitas






Como é possível!? Eu deixei em suas mãos todos os sonhos meus, eu te amei tanto, e você nem percebeu!

Lécia Freitas



CERTEZAS


Sempre foi amor,
Eu sempre soube no meu coração
E agora quando eu fecho os olhos
e voo longe
Seja noite ou seja dia
A qualquer hora eu sempre te encontro
Não pense que estou em silêncio
Eu ouço sua voz
Eu ouço em meu coração
Não pense que estou quieta
Eu encontro caminhos 
No fundo dos seus olhos que eu vejo
Não pense que não quero
Ainda te beijo todos os dias
E acredite
Eu vou e volto
E faço desse amor 
Todas as minhas certezas
Sempre, sempre foi amor

Lécia Freitas